quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Gavriel Savit - Anna e o Homem Andorinha [Opinião]


Sinopse: Uma história sobre a perda da inocência perante a tragédia.
Ao longo da viagem, Anna e o Homem-Andorinha escaparão a bombas e a soldados e também farão amigos. Mas, num mundo louco, tudo pode ser um perigo.
Também o Homem-Andorinha. «Este romance profundamente comovente une, de forma magistral, a doçura infantil com o fundo cruel e inumano da Segunda Guerra Mundial.»

Opinião: Saí da habitual zona de conforto para enveredar por um livro que, pela temática retratada, teria tudo para não ser a minha praia. No entanto, deparei-me com uma obra cuja trama valoriza a vida da protagonista e a sua luta pela sobrevivência, um aspecto que sobressai da narrativa e que remete para mero pano de fundo o tema da 2ª Guerra Mundial. Pelo menos, pessoalmente, não senti que este período da História fosse retratado de forma exaustiva e isso agradou-me. Finda a leitura, persiste uma sensação de carinho por esta lição de vida e, sobretudo, por Anna, a protagonista.
Esta menina de sete anos fica sem o pai e parece óbvio ao leitor qual o destino do progenitor, não obstante aos olhos de Anna, a ausência ter outra explicação, mais aconchegante. Na realidade, este é o primeiro eufemismo de muitos que vamos encontrando ao longo da trama.

Face à situação, Anna acaba por se cruzar com um homem, designado por Homem Andorinha. Ambos lutam para sobreviver à guerra, tentando esquivar-se dos nazis e dos russos. Sob o olhar da criança a situação é sintetizada na necessidade de passar despercebida aos lobos e ursos. O autor recorre incessantemente ao recurso estilístico do eufemismo que se caracteriza por suavizar a realidade por intermédio de termos mais agradáveis.
Na minha cabeça persistia o cenário de guerra, a invasão da Polónia pelos Alemães e a trama é, nada mais, nada menos, do que a leitura feita por uma ingénua. Ela pinta aquilo que eu considero uma catástrofe, com uma série de metáforas e alegorias. E de repente, o mundo parece melhor.

O elemento mágico deste livro é, indubitavelmente, a dinâmica entre as duas personagens sendo que uma, Anna, vê o mundo, como referi anteriormente, de uma forma inocente, como se a invasão dos alemães fosse algo muito ténue.
Por isso, a escrita do autor, Gavriel Savit, é fluída e quase lírica. Nem todos têm sensibilidade em transformar algo tão duro numa linguagem tão poética. Foi acertada a escolha da protagonista, só poderia ser uma criança. Só estas conseguiriam interpretar uma situação complexa, como a iminência de uma guerra, de forma ingénua.

Fui folheando as páginas, confrontando uma história que valorizava sempre a componente sentimental em detrimento das maleitas da guerra.

Em suma, aqui está uma obra diferente e que retrata o início da Segunda Guerra por um prisma diferente. Estamos perante um livro enternecedor e pejado de lições de vida. Não sou propriamente uma fã deste tipo de livros, no entanto e talvez por trabalhar com crianças, senti-me embevecida com esta obra.
Um livro bonito e cativante. 


terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Luca D´Andrea - A Substância do Mal [Divulgação Suma de Letras]


Data de publicação: 1 Março 2017
  
               Título Original: La sostanza del male
               Preço com IVA: 20,50
               Páginas: 456
               ISBN: 9789896651961

Sinopse: Jeremiah Salinger, um jovem guionista de televisão de Nova Iorque, muda-se com a mulher, Annelise, para Siebenhoch, uma calma comunidade isolada nas montanhas do Sul do Tirol, onde ela cresceu. Com eles, também, a filha, a precoce Clara, de cinco anos.
Fascinado pelas montanhas e pelas pessoas que ali vivem, Salinger começa a fazer um documentário sobre resgates na montanha. Mas, durante as filmagens, envolve-se num acidente assustador. Enquanto tenta esquecer a sua experiência traumática, descobre, por acaso, um facto sangrento que remonta há trinta anos: o massacre de três jovens ocorrido durante uma caminhada no desfiladeiro Bletterbach. O crime não tem um culpado e, na aldeia, ninguém quer falar sobre o assunto. Talvez porque, só de pensarem no sucedido, poderiam ressuscitar o horror ou então por serem tantos os que têm algo a esconder...
Apesar da crescente hostilidade que o rodeia, e da oposição de Annelise, Salinger começa a remexer no passado, penetrando cada vez mais profundamente no misterioso assassinato. Até descobrir a imprevisível e aterradora verdade.

Sobre o autor: Luca d’Andrea nasceu em 1979, em Bolzano, Itália, onde trabalhou como professor durante dez anos. A Substância do Mal é o bestseller italiano que lhe valeu a comparação a autores de sucesso como Stephen King, Jo Nesbo ou Joël Dicker. Um fenómeno editorial cujos direitos foram já vendidos para 30 países, antes mesmo da sua publicação em Itália.

M. J. Arlidge - O Anjo da Morte [Divulgação Editorial TopSeller]


Data de publicação: 20 Fevereiro 2017
  
               Título Original: Hide and Seek
               Preço com IVA: 18,79
               Páginas: 336
               ISBN: 9789898855435

Sinopse: O perigo esconde-se nas sombras…
Helen Grace, até aqui considerada a melhor detetive do país, é acusada de homicídio e aguarda julgamento na prisão de Holloway. Odiada pelas restantes prisioneiras e maltratada pelos guardas, Helen tem de enfrentar sozinha este pesadelo. Tudo o que deseja é conseguir provar a sua inocência. Mas, quando um corpo aparece diligentemente mutilado numa cela fechada, essa revela ser, afinal, a menor das suas preocupações.
Os macabros crimes sucedem-se em Holloway e o perigo espreita em cada cela ou corredor sombrio. Helen não pode fugir nem esconder-se por detrás do distintivo. Precisa agora de ser rápida a encontrar o implacável serial killer… se não quiser tornar-se a sua próxima vítima.

Sobre o autor: M. J. Arlidge trabalha em televisão há mais de 15 anos, tendo-se especializado em produções dramáticas de alta qualidade. Nos últimos anos produziu um grande número de séries criminais passadas em horário nobre na ITV, rede de televisão do Reino Unido. Escreveu uma série policial para a BBC, além de estar a criar novas séries para canais de televisão britânicos e americanos.
Os seus livros anteriores – Um Dó, Li, Tá, À Morte Ninguém Escapa, A Casa de Bonecas, A Vingança Serve-se Quente e Na Boca do Lobo – todos êxitos de vendas internacionais, foram também publicados pela Topseller. 

Imprensa
«Viciante. O leitor revirará as páginas tão febrilmente quanto um prisioneiro inocente arranha a porta da sua cela.» 
Daily Express

«Vertiginoso, tenso e emocionante.» 
The Sun

«M. J. Arlidge é o novo Jo Nesbø..» 
Judy Finnigan

«M. J. Arlidge criou uma heroína genuinamente nova... Não nos poupa a nenhum dos detalhes mais sombrios,tecendo-os numa teia que arrepia o leitor até aos ossos.» 
Daily Mail

«Um thriller policial alucinante.» 
Huffington Post


domingo, 19 de fevereiro de 2017

Hjorth & Rosenfeldt - O Homem Ausente [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: Nem precisei de chegar ao terceiro para constatar o quão fantástica é esta série. Já o sabia e apenas lera dois livros mas mostraram-se de uma qualidade imensa, por isso, nem hesitei quando escolhi aquela que seria a primeira leitura deste ano. Estaria assegurado um excelente começo de ano, no que concerne a livros.

Além do caso criminal que se destaca na trama, o aparecimento de ossadas numa vala descoberta numa região montanhosa, há um segundo mistério que capta também a atenção do leitor: o desaparecimento de um indivíduo, de nacionalidade afegã, residente na Suécia que leva a esposa do mesmo a envidar esforços que a levem ao seu paradeiro. Confesso que este último não me atraiu tanto quanto o primeiro. Não obstante sentir-me curiosa com esta sub-trama que me fez constatar, uma vez mais, o quão diminuto é o papel da mulher na sociedade islâmica e do consequente contraste que existe entre essa e a cultura ocidental, tendo como reflexo, na presente obra, as crescentes barreiras que acabaram por obstar a qualquer avanço da personagem feminina na busca pelo marido.

Este foi o ingrediente novidade da trama pois, como os autores nos têm vindo a habituar, ambos os casos de investigação se entrelaçam com o desenvolvimento das vidas pessoais das personagens, com ênfase na que é mais interessante, a de Sebastian Bergman que vê o seu segredo cada vez mais perto de se tornar conhecido. Agradou-me muito e devo dizer que a iminência da revelação do esqueleto no seu armário deixou-me tão entusiasmada quanto o própria investigação, componente que, como sabeis, valorizo de sobremaneira nas minhas leituras. Não obstante o seu papel na aludida investigação ser diminuto, comparativamente com as obras antecessoras.

Ainda que o livro ascenda às 500 páginas, não creio que, em momento algum, se tenha tornado maçador, antes pelo contrário. Li com avidez, sedenta de mais desenvolvimentos na trama sobre Sebastian e a investigação policial. Note-se que, embora Sebastian exerça um fascínio sobre mim, considero que a personagem Ellinor foi igualmente importante. Arquitectou uma situação complexa e melhor, fez com que o desfecho de O Homem Ausente me deixasse em choque e a ansiar pela publicação do próximo volume quanto antes!

Em suma, esta série está no pódio das sagas nórdicas policiais. Reúne duas componentes que considero importantíssimas: um protagonista a quem me afeiçoei (ainda que, inicialmente, tenha demonstrado uma atitude desprezível para com as mulheres) e casos policiais intrincados, verossímeis e surpreendentes. O Homem Ausente não destronou meu livro preferido da série, O Discípulo, mas o seu final deixou-me a suspirar por mais. 


quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Bear Grylls - Voo Fantasma [Divulgação Marcador]


Data de publicação: 15 Fevereiro 2017
  
               Título Original: Ghost Flight 
               Preço com IVA: 18,95
               Páginas: 408
               ISBN: 9789897542992 

Sinopse: Uma mãe e um filho raptados de forma selvagem numa montanha cercada pela neve. Um soldado leal, torturado e executado num lugar remoto da Escócia. Um avião perdido, finalmente descoberto no coração da selva amazónica, que esconde um segredo perigoso que poderá libertar o mal na Terra. Uma corrida desesperada para vencer uma conspiração assustadora nascida nos dias mais negros da Alemanha nazi.
E há algo que une tudo isto. Só um homem pode desvendar o segredo. Will Jaeger. O Caçador.
Um pouco de Jason Bourne com um pouco de Indiana Jones, Voo-Fantasma é o thriller de estreia explosivo do apresentador de TV e perito em sobrevivência Bear Grylls.

Sobre o autor: Bear Grylls é autor de 22 livros, incluindo a sua autobiografia: Lama, Suor & Lágrimas, um incrível bestseller internacional.
Coronel honorário dos Royal Marine Commandos, foi, durante três anos, soldado das forças especiais britânicas SAS, o que lhe permitiu aperfeiçoar muitas das habilidades que os seus fãs adoram ver nos programas de televisão que protagoniza e que se tornaram nos mais vistos do planeta, com uma audiência estimada de 1,2 mil milhões de espectadores e que lhe valeram uma nomeação para os Emmys.

Peter May - Em Fuga [Divulgação Marcador]


Data de publicação: 15 Fevereiro 2017
  
               Título Original: Runaway
               Preço com IVA: 18,95
               Páginas: 392
               ISBN: 9789897542985

Sinopse: Em 1965, cinco amigos, todos adolescentes, cansados da rotina e temerosos de uma vida previsível, fogem de Glasgow com destino a Londres e o sonho de serem estrelas e de transformar a sua banda de música num sucesso. No entanto, antes do final do primeiro ano, três deles regressam á sua cidade natal na Escócia - e voltam diferentes, danificados, sem que ninguém perceba a razão para tal. Cinquenta anos mais tarde, em 2015, um brutal homicídio na capital inglesa obriga esses três homens, agora com quase 70 anos, a regressar a Londres e a confrontar, por fim, a mancha escura do seu passado da qual tentaram fugir durante toda a vida.

Sobre o autor: Peter May É um autor amplamente premiado e um sucesso de vendas internacional, contando com um grande número de seguidores em todo o mundo. Nascido e criado na Escócia, vive actualmente em França. Depois de uma carreira bem-sucedida enquanto criador e produtor, decidiu abandonar a televisão para se dedicar ao seu primeiro amor, a literatura. A obra A Casa Negra foi publicada pela primeira vez em França com o título L'Ile des Chasseurs d’Oiseaux e prontamente classificada de obra-prima pelo jornal francês L´Humanité. Em França, ganhou diversos prémios, entre eles os prestigiados Cezam Prix Littéraire, atribuído pelos leitores. Em Inglaterra, A Casa Negra foi publicada pela galardoada Quercus. O livro tornou-se imediatamente num sucesso de vendas e foi nomeado para o Barry Award e para o Macavity Award aquando da sua publicação nos Estados Unidos. Em 2013, venceu o Barry Award para Melhor Romance Policial.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

S. K. Tremayne - A Criança de Fogo [Opinião]

Sinopse: AQUI

Opinião: É numa atmosfera sombria e isolada que se desenrola a acção de A Criança de Fogo. A história narra a vida de Rachel Daly agora que é casada com um homem rico e viúvo, com um filho. Inicialmente apercebemo-nos de que a interacção com o enteado, Jamie, é pautada por acontecimentos estranhos, uma vez que a criança perdera a mãe num acidente trágico e parece ter algumas premonições no que concerne ao futuro da madrasta, conferindo um clima tenso e de suspense. Efeito intensificado, no meu entender, devido a outros dois aspectos: o primeiro relacionado com a brevidade em que os dois se conhecem e se relacionam, remetendo este thriller a outros, de cariz mais psicológico e que se entrosam com o drama familiar do casal.

O segundo relaciona-se com as premonições de Jamie. Este, repetidamente, amaldiçoa a madrasta, marcando-a para morrer no Natal. Estas pragas, acompanhadas de acontecimentos estranhos, acabam por desencadear reacções por parte de Rachel instalando-se a dúvida: a que deverão estes comportamentos? Terá sido a morte da mãe a impulsionadora de atitudes estranhas por parte de Jamie? Ou serão apenas alucinações de Rachel que conduzem a criança a demonstrar condutas menos próprias?

Tal como As Gémeas de Gelo, inicialmente, a sensação é que a história terá laivos de sobrenatural. Há diversas referências à possibilidade de que os acontecimentos tenham como força motriz, o fantasma de Nina, a mãe do menino. Confesso que não sou grande fã de fenómenos paranormais, quer em literatura quer em cinema, mas à semelhança da obra antecessora, este ingrediente confere um aspecto diferente nas histórias que costumo ler. E também este ingrediente intensifica a componente de terror. É uma história, por isso, muito sombria.

Gostei da forma como a trama é narrada, quer na primeira pessoa, sob a perspectiva de Rachel, permitindo-nos saber os seus pensamentos mais íntimos. Intercala com capítulos narrados por um narrador omnisciente, que foca a acção em David e na criança. A história desenrola-se em gradação decrescente para o Natal, altura em que se irá cumprir a profecia preconizada por Jamie. Creio que foi uma forma assaz inteligente de relatar os eventos da história.

Apesar de ter gostado muito da história, do suspense da mesma e do ambiente sombrio onde esta tem lugar, devo confessar que esperava um desfecho à medida. Contudo, e ainda que este seja verossímil e lógico, achei-o um pouco apressado. Pessoalmente ter-me-ia alongado nos acontecimentos daquela noite de Natal. Afinal de contas, toda a trama tinha como grande enfoque essa época.

Em global, este é, na minha opinião, um excelente livro composto por sensações de sobrenatural e um cenário obscuro, ilustrado por algumas imagens que separam os capítulos. A trama é psicologicamente complexa, tal como eu gosto. Já gostara muito de As Gémeas de Gelo, mas creio que A Criança de Fogo é ainda melhor!