domingo, 28 de abril de 2013

Arnaldur Indriðason - O Mistério do Lago [Opinião]


Sinopse: O nível das águas do lago Kleifarvatn tem vindo a descer lentamente na sequência de um terramoto.
Uma hidróloga local está a estudar o estranho fenómeno quando descobre uma ossada humana com um buraco no crânio e, ao lado, um velho aparelho de rádio com inscrições em cirílico quase ilegíveis. A Polícia é enviada ao local e o inspetor Erlendur e a sua equipa ficam a cargo da investigação, que os levará a pesquisar desaparecimentos ocorridos na Islândia na década de sessenta. As pesquisas conduzem-nos inevitavelmente às embaixadas do ex-bloco soviético e a antigos estudantes islandeses das juventudes socialistas, bolsistas na Alemanha de Leste em plena Guerra Fria.

Opinião: O Mistério do Lago é o sexto livro da série de policiais islandeses protagonizada pelo inspector Erlendur Sveinsson e o terceiro a ser publicado em Portugal, sucedendo-se a Laços de Sangue (de 2006 pela Civilização Editora) e A Voz (de 2011 pela Porto Editora).

O Mistério do Lago consiste numa trama com uma dualidade: actualmente é encontrada uma ossada num lago, cuja identidade é investigada pelo inspector e a sua equipa. Sem qualquer identificação cronológica e através de flashbacks, a trama regride até aos anos 50 e conta a história de um grupo de jovens que estudam na universidade de Leipzig, no coração da Alemanha de Leste onde é notório um ambiente maioritariamente repressivo devido ao regime comunista, tratando-se de um contexto histórico bastante real.
Embora a subtrama englobe alguns aspectos políticos, não creio que sejam maçadores. São fulcrais para se entender as ideias da Alemanha antes da unificação. Recentemente vi um filme sobre o tema, Adeus Lenine, pelo que facilmente consegui envolver-me na subtrama de Tómas.
Neste trecho narrativo,envolvi-me por completo na emocionante história do islandês Tómas, que acaba por mostrar o lado maravilhoso da vida como os seus piores dissabores.

Acaba por ser este aspecto, o factor que torna O Mistério do Lago diferente dos dois livros antecessores. Enquanto Laços de Sangue e A Voz se debruçavam em investigações totalmente contemporâneos, penso que a presente obra vai mais longe ao abordar este período da história. Pela primeira vez, leio um livro do autor que investe em acontecimentos passados, não fosse Arnaldur Indridason historiador.

O autor, à semelhança dos livros anteriores, incide muito sobre a vida pessoal das personagens e fá-lo não só debruçando-se sobre a história de Erlendur, o protagonista da série, como disseca minuciosamente a vida de Tómas e as suas interacções no ambiente universitário. Este acaba por ser um ponto forte na narrativa: a forma como Tómas se "entranha" no leitor, deixando um sentimento de felicidade e revolta.
Se tivermos em conta o desenvolvimento da vida pessoal das personagens, este acaba por ser o aspecto mais independente da trama. Em relação à vida de Erlendur, há claramente uma dependência que remota ao livro antecessor do autor, A Voz e mais remotamente Laços de Sangue. Em O Mistério do Lago, o autor relembra apenas a relação deste com a filha, Eva Lind. No entanto, Indridason negligencia os laços com o filho Sindri ou com a mulher misteriosa Valgerdur. Uma vez que li A Voz em 2011 e como tal, não me lembrava de alguns pormenores, tive necessidade de folhear o livro antecessor para me contextualizar sobre estes.

Pertencendo a uma série, seria expectável o desfecho que deixa em aberto o rumo das personagens principais, em particular os fantasmas do passado de Erlendur e a sua relação com os filhos (e até Valgerdur). Apenas foi completamente resolvido o caso da ossada misteriosa, cuja identificação acabou por marcar o aspecto surpreendente da trama. 
Deixo o meu apelo à Porto Editora, que publique o próximo volume em breve!

Em suma, este foi um livro que me cativou a ponto de não conseguir parar de ler. Bendito 25 de Abril, que me deixou ficar em casa e viajar alternadamente pela Alemanha do Leste e a Islândia. Li praticamente o livro todo no feriado!
Uma caracterização fabulosa associada à influência do passado para um crime actual (e um riquíssimo contexto histórico) conferem a O Mistério do Lago, uma leitura extremamente interessante! 
Gostei mesmo muito! Recomendo não só a leitura deste Mistério do Lago bem como d´A Voz e seguir esta fascinante série de policiais islandeses.


6 comentários:

  1. Arnaldur é ótimo. Esse foi um dos primeiros livros que li este ano. Super recomendo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes crer! Muito bom! Adorei o Tómas :)
      No Brasil existe muitos livros deste autor? Cá só há 3, e não publicaram desde o início... :(

      Eliminar
  2. Tenho este livro em casa mas não li nenhum anterior, acha que vale a pena ler mesmo assim?
    Normalmente gosto de ler as series pela sua ordem normal mas penso que o primeiro livro ainda nem foi aqui publicado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Anabela! Pois é, o primeiro nunca foi publicado por cá... :( começaram pelo terceiro. Sim, arrisque! Eu adoro livros passados na Escandinávia... têm um gostinho especial. Eu acho que vai gostar ;) Os casos são independentes e o autor enquadra o leitor, de forma sucinta, sobre a vida do protagonista. Um beijinho e boas leituras

      Eliminar
  3. Obrigada vou arriscar então!
    Já agora adoro o seu blog sou uma apaixonada por policiais e tiro sempre muitas dicas daqui.
    Parabéns pelo excelente trabalho que tem feito por aqui.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada Anabela! São comentários e carinho como o seu que me faz continuar. Um grande bem haja! Um beijinho grande e obrigada pelas suas palavras

      Eliminar